24 de April, 2024
ASAE passou por Cascais
Atualidade Segurança

ASAE passou por Cascais

Fev 24, 2024

Por REDAÇÃO | 12h30

O concelho de Cascais esteve na rota de uma operação de fiscalização da Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE), que decorreu no final da semana passada e abrangeu, ainda, os concelhos de Oeiras e de Lisboa.

Realizada por inspetores da Unidade Regional do Sul, a operação de fiscalização foi direcionada à verificação do cumprimento das regras de exercício no setor da restauração e bebidas, no âmbito da Segurança Alimentar, com especial destaque para as condições técnico-funcionais e de higiene.

Ao todo, foram fiscalizados 34 operadores económicos, tendo sido instaurados 2 processos-crime por usurpação de Denominação de Origem Protegida / Indicação Geográfica Protegida (DOP/IGP) e fraude sobre mercadoria, e 25 processos de contraordenação.

As principais infrações foram irregularidades relacionadas com o HACCP e falta de condições gerais e específicas de higiene, a violação dos deveres gerais da entidade exploradora, a falta de controlo de pragas, a falta dos dísticos informativos obrigatórios, falta de livro de reclamações físico e eletrónico, entre outras.

Foi ainda determinada a suspensão de atividade de 9 estabelecimentos de restauração e bebidas, por violação dos deveres gerais da entidade exploradora, designadamente falta de condições gerais e específicas de higiene em restauração.

No decorrer da ação foram também apreendidos 25 litros de vinho, no valor de 100 €, por falta de rotulagem em bebidas vitivinícolas.

As ações contaram com a colaboração da Polícia Municipal de Lisboa, PSP, AT e IGAC.

A ASAE promete continuar a desenvolver ações de fiscalização, no âmbito das suas competências, em todo o território nacional, em prol de uma sã e leal concorrência entre operadores económicos.

1 Comment

  • Seria importante a ASAE publicar os nomes destes estabelecimentos, caso os consumidores tenham frequentado os mesmos correndo o risco de consumir algo contaminado, mal lavado ou mal cozinhado. Mais responsabilização e transparência não fazia mal aos infratores,. “name and shame” para desencorajar futuras violações.

Deixe o seu Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *